sexta-feira, março 17, 2017

As coisas perdem a graça.
E toda aquela empolgação se esvai...
Já contei aqui que sofro de tédio, é verdade...
E aí você fica olhando, pensando, analisando,
meditando e chega a conclusão que tudo é uma enorme perda de tempo.

Em tempo: comprei um microondas lindo novo. Todo espelhado de inox. :D
O outro morreu.

Uma das coisas boas desses últimos tempos, falando em tempo,
é o Netflix. Como estou viciada nas séries. Vi uma tese de mestrado falando dessa fixação nas séries. Só não li o texto.

Enfim, gostaria muito de poder voltar a escrever todos os dias aqui.
Sinto falta.
Nem vou fazer promessas.
Não tenho conseguido cumpri-las...

A única meta aqui que segue firme
é minha disposição em malhar.
Acho que a vida toda fugi disso e agora me vejo
suando e queimando calorias...

E a vida segue...




domingo, janeiro 08, 2017

Os dias de verão são assim.
Quentes, abertos, vento fresco,
sol delicioso, água mansa,
sensação de paz...
Liberdade é pouco...



sábado, janeiro 07, 2017

E depois de um longo e calorento tempo,
eis que venho aqui para desejar Feliz Ano Novo.
Sim.
Que 2017 seja auspicioso.



segunda-feira, outubro 24, 2016

Rimos,
discutimos.
Voltamos ao início,
falamos do mês passado,
pensamos no futuro.
Não fazemos planos.
Vivendo, apenas, um
dia de cada vez.... 




quarta-feira, setembro 28, 2016

Radicalismos não levam a nada.
O que está terminado, não adianta retornar.
Melhor mudar o disco.
Cantar outra canção.
Viver a realidade.
Esquecer o passado.
Olhar para o futuro.
Seguir em frente em paz...


sexta-feira, setembro 09, 2016

tédio

Descobri, como num passe de mágica,
que o problema não são eles, sou eu.
Sofro de tédio.
Sim, me pergunto, depois de um tempo junto
até quando aquilo ainda vai acontecer.
E quando chego a esse estágio, seja em poucos meses,
seja depois de anos juntos, é um indício de que aquela
relação já acabou.
E esse tédio me perseguiu a pouco.
Numa aposta louca do destino, aonde mais uma vez,
o amor do outro era o que sustentava a relação.
Não sei de fato o que sinto.
Se faço drama, como bom leonino e seu teatro...
Se gosto dessa dor estranha ou do amor que alimenta,
o amor alimenta os meus desejos,
os meus sonhos,
a minha poesia.
E, na maioria das vezes, nem é o meu amor,
é o amor do outro.
Assim, como tudo depois de um tempo, me cansa,
e me pergunto o que faço ali, naquele lugar.
Questiono os sentimentos e nunca consigo achar uma resposta.
Para um libriano definir o que se sente é importante,
mas, sentimento não se define, se sente.
Vai daí a confusão.
Quando mente e emoção caminham díspares...
E eu no meio delas.
Não se se vou, se fico ou se sigo...
Eu nunca sei.


quinta-feira, julho 14, 2016

Ás vezes sinto um enorme cansaço.
E uma vontade grande de voltar pra onde vim.
Nada dá certo.
Todos os planos, todos os sonhos, mais uma vez
jogados no lixo.
E, me pergunto, então,o que faço nessa terra, nessa
árida terra onde o que lanço nunca prospera...
E que tristeza e cansaço me tomam toda vez que me
sinto novamente na estaca zero.

domingo, junho 12, 2016

Um tranco na parede,
um beijo roubado atrás do caminhão,
suspiros em noites frias,
desejos encobertos por mil agasalhos,
uma lua que é minha amiga e conselheira,
zela por mim, vela você,
nos envolve em seus raios no
encontro que não estava programado.
Ou estava e nem sabíamos...