sexta-feira, agosto 31, 2018

Coisas estranhas acontecem 
e você fica sem saber....
E daí?
Nada demais. 
Só pra dizer que vivo. 

sexta-feira, janeiro 05, 2018

Estranhamente volto ao que fui.
Como se o tempo não tivesse passado.
E o passado, aquele lá atrás, onde os sonhos dançarinos povoavam minha mente,
retornam com poder de desfazer o estabelecido.
As asas se agitam, a mente voa, o espírito é livre.
Me sinto feliz, bem, calma, em paz.
Estou em paz.


sexta-feira, março 17, 2017

As coisas perdem a graça.
E toda aquela empolgação se esvai...
Já contei aqui que sofro de tédio, é verdade...
E aí você fica olhando, pensando, analisando,
meditando e chega a conclusão que tudo é uma enorme perda de tempo.

Em tempo: comprei um microondas lindo novo. Todo espelhado de inox. :D
O outro morreu.

Uma das coisas boas desses últimos tempos, falando em tempo,
é o Netflix. Como estou viciada nas séries. Vi uma tese de mestrado falando dessa fixação nas séries. Só não li o texto.

Enfim, gostaria muito de poder voltar a escrever todos os dias aqui.
Sinto falta.
Nem vou fazer promessas.
Não tenho conseguido cumpri-las...

A única meta aqui que segue firme
é minha disposição em malhar.
Acho que a vida toda fugi disso e agora me vejo
suando e queimando calorias...

E a vida segue...




domingo, janeiro 08, 2017

Os dias de verão são assim.
Quentes, abertos, vento fresco,
sol delicioso, água mansa,
sensação de paz...
Liberdade é pouco...



sábado, janeiro 07, 2017

E depois de um longo e calorento tempo,
eis que venho aqui para desejar Feliz Ano Novo.
Sim.
Que 2017 seja auspicioso.



segunda-feira, outubro 24, 2016

Rimos,
discutimos.
Voltamos ao início,
falamos do mês passado,
pensamos no futuro.
Não fazemos planos.
Vivendo, apenas, um
dia de cada vez.... 




quarta-feira, setembro 28, 2016

Radicalismos não levam a nada.
O que está terminado, não adianta retornar.
Melhor mudar o disco.
Cantar outra canção.
Viver a realidade.
Esquecer o passado.
Olhar para o futuro.
Seguir em frente em paz...


sexta-feira, setembro 09, 2016

tédio

Descobri, como num passe de mágica,
que o problema não são eles, sou eu.
Sofro de tédio.
Sim, me pergunto, depois de um tempo junto
até quando aquilo ainda vai acontecer.
E quando chego a esse estágio, seja em poucos meses,
seja depois de anos juntos, é um indício de que aquela
relação já acabou.
E esse tédio me perseguiu a pouco.
Numa aposta louca do destino, aonde mais uma vez,
o amor do outro era o que sustentava a relação.
Não sei de fato o que sinto.
Se faço drama, como bom leonino e seu teatro...
Se gosto dessa dor estranha ou do amor que alimenta,
o amor alimenta os meus desejos,
os meus sonhos,
a minha poesia.
E, na maioria das vezes, nem é o meu amor,
é o amor do outro.
Assim, como tudo depois de um tempo, me cansa,
e me pergunto o que faço ali, naquele lugar.
Questiono os sentimentos e nunca consigo achar uma resposta.
Para um libriano definir o que se sente é importante,
mas, sentimento não se define, se sente.
Vai daí a confusão.
Quando mente e emoção caminham díspares...
E eu no meio delas.
Não se se vou, se fico ou se sigo...
Eu nunca sei.